Dirceu, Noblat e os dementes da mídia



Dirceu, Noblat e os dementes da mídia

Por Altamiro Borges

O blogueiro do jornal O Globo, Ricardo Noblat, não gostou das
declarações de José Dirceu durante o 16º Congresso da União da
Juventude Socialista (UJS), neste final de semana. Diante de 2 mil
jovens, o ex-ministro afirmou que o julgamento do “mensalão do PT”
será uma batalha política e que é preciso ir as ruas para evitar que a
ditadura da mídia imponha o seu veredito final.


Para Noblat, o discurso de Dirceu é uma declaração de guerra. “Nunca
antes na história recente do país convocou-se o povo para pressionar
um tribunal. Pois bem: Dirceu começou a fazê-lo. Rapaz ousado! Mais
certo seria chamá-lo de temerário, imprudente, perigoso, atrevido,
insolente, afoito, demente, precipitado, desaforado, petulante,
desajuizado, incauto, arrogante, desvairado, impulsivo, arrebatado,
insensato".

Medo da pressão das ruas

Todos estes adjetivos e mais alguns poderiam ser usados para se
referir ao papel da mídia demotucana, que Noblat representa com tanto
servilismo, no episódio do mensalão. De forma arrogante e demente, ela
pressionou o TST a julgar o caso nas vésperas das eleições municipais
– com nítidos propósitos políticos. Chegou a chantagear e ameaçar
ministros. Exigiu pressa. Antes mesmo, ela já havia julgado e
condenado os 38 réus. Expôs todos à execração pública. Assassinou
reputações. Exigiu o fuzilamento!

Mas Noblat quer o silêncio dos fuzilados previamente pela ditadura da
mídia. Na verdade, ele teme a critica e a pressão das ruas. No final
do seu raivoso artigo, o blogueiro das Organizações Globo chega até a
atacar a oposição demotucana, “medrosa” e “rala”, que não exigiu o
impeachment de Lula temendo a revolta das ruas. Agora, ele quer a
vingança! Qual adjetivo caberia melhor a Ricardo Noblat?
.