Povo dos EUA vira à esquerda, contra o neoliberalismo e pelo fim das guerras



Povo dos EUA vira à esquerda, contra o neoliberalismo e pelo fim das
guerras

http://october2011.org/

A ficha já caiu para uma boa parcela dos estadunidenses, que estão
indo às ruas fazer revoltas pacíficas, como não se via desde os anos
60, nas manifestações contra a guerra do Vietnã, pelos direitos civis
e contra "o sistema".

A guerra do Afeganistão já dura 10 anos. O neoliberalismo que gerou a
crise trouxe o desemprego, a exclusão social, a perda da moradia
hipotecada. Aposentados dos fundos de pensão viram parte de suas
aposentadorias evaporarem, com as perdas do pecúlio aplicado nos
bancos quebrados.

Ativistas ocupam as ruas e rebelam-se clamando "Somos os 99% que não
vão mais tolerar a ganância e corrupção dos 1%".

A ficha caiu, entendendo que existe um conflito de classes. Os 99% são
o povão estadunidense que perderam seu "american way of life" e estão
se sentindo na coluna dos perdedores. Os 1% são a elite econômica,
simbolizada em Wall Street que, bem ou mal, sempre saem ganhadores,
com crise ou sem crise.

Não deixa de ser uma versão "yankee" do parágrafo final do Manifesto
Comunista de Marx e Engels: "Proletários ...., uni-vos!"...

Quem diria!

Lemas como "Parar o sistema! Criar um novo mundo!" são propagados. Não
deixa de ter semelhança com o brado do Forum Social Mundial: "Um novo
mundo é possível".

Os ativistas exigem:

* Taxar os ricos e as corporações com mais impostos
* Proteger o planeta
* Colocar as necessidades humanas acima da ganância corporativa
* Colocar os trabalhadores antes de lucros
* Deixar o poder econômico de fora da política
* Fim das guerras, trazer as tropas de volta para casa
* Assistência de saúde para todos
* Fim da proteção econômica do governo às corporações

Neste 6 de outubro, aniversário da invasão do Afeganistão, ativistas
estadunidenses marcaram a ocupação de Washington, a capital dos EUA.

O movimento, inspirado nas revoltas populares iniciadas no Egito,
chamadas primavera árabe, começou com a ocupação de Wall Street, o
símbolo do capitalismo e das grandes corporações (Seria o equivalente
no Brasil a "ocupar a BOVESPA" - Bolsa de Valores de São Paulo).

http://occupywallst.org/

Alguns milhares de ativistas ocupam Wall Street há 3 semanas, sejam se
revezando, sejam acampando. As manifestações são pacíficas, mas com
alguns atos de desobediência civil, como obstruir o trânsito, e
passeatas não autorizadas, o que levou a repressão da polícia e
prisões rápidas.

As ocupações se alastram para outras cidades: Bostom, Chicago, Los
Angeles, San Francisco, etc.

Por enquanto os ativistas são uma minoria barulhenta, mas vocalizam os
protestos do cidadão estadunidense médio, insatisfeito com o
desemprego, a crise que os afeta, enquanto os bancos que provocaram a
crise se salvam e continuam lucrando e pagando bônus milionários a
seus executivos.

Os estadunidenses tem uma vantagem sobre os países do Oriente Médio: a
militância virtual é mais intensa, já que quase todos os domicílios
tem acesso a internet.
.



Relevant Pages